O Vento de Madeira é exemplo do que se tem feito de melhor na cena paulistana da Música Instrumental Brasileira. Formado por feras como Léa Freire, Teco Cardoso, Mônica Salmaso e outros, continuam fluindo a inovação que muitos deles próprios nos mostraram na Orquestra Popular de Câmara, só que aqui a coisa é mais moderna.

Este álbum me emocionou. Eu particularmente adoro a insistência do Vento em ritmos como Maracatu e também das melodias uníssonas dos sopros junto com os vocais de Mônica. Quando as duas coisas se juntam então, nem se fala...

Eu adoro a Dança das pipas, Felipe na área e o vocal da Mônica no maracatú Turbulenta. Mas colocar em evidência só essas faixas faz eu me sentir injusto com o resto do álbum, que é exuberantemente lindo e contemporâneo.