Nos anos 60, a família Borges morava no edifício Levy, em Belo Horizonte. Márcio, um dos filhos do casal Borges, se tornou amigo de um rapaz tímido que ganhava a vida num trabalho burocrático. Esse rapaz era o Milton Nascimento. Entre uma cerveja e outra, Márcio e Milton foram agregando mais amizades e se interessando por cinema nos inúmeros vídeo-clubes que despontavam pela capital mineira. Após uma sessão do filme Jules et Jim, do diretor François Truffaut, Milton teve uma espécie de insight e resolveu canalizar sua criatividade para a música. Márcio o acompanhou escrevendo letras que se adequassem às linhas melódicas criadas pelo amigo ao violão. Em pouco tempo, tinham um repertório de músicas próprias que chamava atenção não só da família e dos amigos, como também de muitos outros que passaram a interagir com a dupla. O grupo aumentou e em pouco tempo várias pessoas estavam agregadas em torno da estética desenvolvida por Milton. Esse grupo ficou conhecido como Clube da Esquina.

Um dos irmãos mais novos de Márcio Borges resolveu também compor canções. Seu nome era e nesse momento contava ainda com 12 ou 13 anos. Surpreendeu a todos com uma música chamada Um Girassol da Cor dos seus Cabelos. Sua integração ao Clube foi natural. Mais natural ainda, foi a influência que exerceu sobre seu amigo da mesma idade, Beto Guedes, que morava no edifício Levy, o mesmo onde morava a família Borges. 

Beto conseguia desempenhar vocais em falsete sem nenhuma dificuldade e demonstrou aptidão em vários instrumentos de corda. Sua participação foi ativa nos primeiros discos do Clube da Esquina, mas seu lado autoral só veio à tona com força em 74, quando dividiu um disco com os amigos Novelli, Danilo Caymmi e Toninho Horta. Cada um apresentou sua composição e Beto compareceu com "Belo Horror", um tema fortemente influenciado por Genesis, mas ao mesmo tempo, com todas as características das músicas do Clube. Somente em 77 ele lança um disco próprio que chamou de A Página do Relâmpago Elétrico.

'A Página' já deixa muito claros os caminhos que Beto iria percorrer ao longo da carreira. Acompanhado dos músicos que posteriormente comporiam o grupo 14 Bis, Beto consegue fazer um dos discos mais bem realizados no contexto da produção do Clube da Esquina. O progressivo ainda é bastante presente nas composições (algumas instrumentais), mas a toada mineira e as melodias de molde Beatles fazem a força do álbum. O registro agudo de sua voz é levado ao extremo, característica que ele dosaria melhor em discos como Amor de Índio e Sol de Primavera. Em certo sentido, A Página do Relâmpago Elétrico parece um grande exercício que seria melhor lapidado nos discos posteriores, mas é justamente essa liberdade de experimentar com as composições que distingüem 'A Página' no conjunto das obras do compositor.

(fonte)

  1. A Página Do Relâmpago Elétrico (Beto Guedes & Ronaldo Bastos) (5:21)
  2. Maria Solidária (Milton Nascimento & Fernando Brant) (3:01)
  3. Choveu (Beto Guedes & Ronaldo Bastos) (4:24)
  4. Chapéu De Sol (Beto Guedes & Flávio Venturini) (4:26)
  5. Tanto (Beto Guedes & Ronaldo Bastos) (3:52)
  1. Lumiar (Beto Guedes & Ronaldo Bastos) (3:25)
  2. Bandolim (Beto Guedes) (4:26)
  3. Nascente (Murilo Antunes & Flávio Venturini) (3:41)
  4. Salve Rainha (Zé Eduardo & Tavinho Moura) (3:02)
  5. Belo Horizonte (Godofredo Guedes) (2:34)